Atualmente, muitas pessoas nem sabem o que significam as regras de etiqueta, mas elas continuam sendo usadas em eventos e para recepcionar convidados com requinte e sofisticação. 
Vamos conhecer um pouco mais sobre a evolução da etiqueta? 

Essa padronização de “bons modos” tem origem francesa, na corte de Luís XIV, mas já vinha sendo aplicada há muitos séculos, quando egípcios e até mesmo o Império Romano utilizavam de algumas normas para diferenciar nobres de servos.

Mas de onde surgiu o termo “etiqueta”? Bem, pode-se dizer que antigamente os convidados eram mesmo etiquetados de acordo com seus sobrenomes e/ou o título que possuíam de nobreza. 

Além disso, elas mostravam os lugares a serem ocupados à mesa, regras para se portar e algumas outras instruções de cada palácio. 

Porém, a famosa etiqueta teve seu auge bem no período da Renascença, quando acreditavam haver a necessidade de separação entre os nobres “legítimos” e os recém enriquecidos burgueses.

E quem trouxe essa “cultura” ao Brasil foi D. João VI, quando a corte de Lisboa veio transferida para o Brasil. 

Mas por que usar regras de etiqueta? Essa espécie de padronização serve para que as pessoas saibam se portar em qualquer situação, estando em diferentes locais, pois seguem um padrão previamente estipulado.

Como ter bons modos e etiqueta não se restringe apenas à mesa, ao uso adequado dos talheres, pratos, taças e copos, vai muito além, englobando até mesmo o fato de vestir-se adequadamente para determinada ocasião, interação social, maneiras de falar, dentre outros acontecimentos diários. 

Neste post, vamos nos ater a o que significa etiqueta na mesa, para que possamos preparar uma mesa digna de qualquer reinado. 

Principais regras de etiqueta à mesa

Mesmo que as regras tenham começado a existir em uma época onde os costumes eram bem diferentes dos atuais, para que pudessem se adaptar à nossa realidade, houveram muitas adaptações ao longo dos anos.

Dentre elas, podemos citar a disposição dos talheres, como a pessoa se senta à mesa, bem como os tais dos cotovelos sobre a mesa. Então, separamos alguns desses itens como sendo: nunca, talvez e sempre. Vamos conferir?

Cotovelos sobre a mesa

Jamais! Isso é considerado como um erro gravíssimo, deve-se apoiar somente os pulsos e, mesmo assim, na beirada da mesa, colocando os braços sempre o mais próximo possível do corpo. Em alguns casos, pode-se até mesmo apoiar os braços na beirada da mesa, mas é bem mais sensato evitar, não é mesmo?

Sobre o manuseio dos talheres

Até mesmo aqueles que não conhecem muito sobre etiqueta sabem que os talheres ficam enfileirados, com garfos sempre à esquerda e facas à direita, falando basicamente. 

Caso existam vários deles dispostos em cima da mesa, pode-se ter certeza de que a refeição se dará em diferentes fases, tais como: entrada, prato principal, sobremesa etc.

Deve-se estar atento para que a utilização comece sempre de fora para dentro, pegando a faca com os dedos polegar e também o indicador, sendo que o médio fique sempre no cabo, assim como quem segura uma caneta, evitando sempre de colocar o dedo na lâmina. Jamais leve a faca à boca! 

Caso seja necessária a utilização apenas do garfo, a parte que é côncava deverá ficar voltada sempre para baixo, segurando-o com a mão direita fechada, o dedo médio como uma espécie de apoio para o polegar e o indicador sendo utilizado com a função de firmar o cabo.

Já no caso de um garfo ser usado junto com uma colher, ele deverá estar na mão esquerda, servindo apenas para firmar o alimento na colher. 

Se a refeição servida for algum tipo de carne (usa-se a faca com serras e se for peixe, a faca pequena), o garfo fica na mão esquerda, sendo a parte côncava sempre voltada para cima, com o dedo indicador acima do cabo. 

Agora vamos falar sobre a colher? Segure-a com a mão direita, sempre pela parte do cabo que é mais elevada, não junto à base. Ela deverá ser levada à boca sempre pela parte da lateral, evitando que fique de frente. 

Caso os seus talheres estejam em descanso, eles não podem ficar apoiados com os cabos na mesa e sim no prato (garfo e faca dentro do prato em diagonal, sendo que o garfo fica à esquerda e a faca à direita), observando que a parte côncava fique para cima. Além disso, deve-se atentar para não gesticular com eles nas mãos. 

Mas e para os canhotos? Não deve-se trocar imediatamente os lados dos talheres, por educação, mas aguardar para fazê-lo discretamente. 
Uma curiosidade é que o garfo foi introduzido às refeições também na França, por volta de 1540 e a colher surgiu há uns 20 mil anos. 

Sobre as taças e copos

Para uma mesa posta, os tipos de taças e copos dependerão das bebidas a serem servidas, visto que cada qual possui uma finalidade de acordo com as regras de etiqueta

Caso bebidas alcóolicas não fizerem parte do menu, apenas um tipo de taça se faz necessário e, caso o convidado deseje, poderá solicitar alguma outra, de acordo com a necessidade.

Falando brevemente, as taças que são menores possuem como função manter o frescor de líquidos frios, por exemplo. 

Já com a utilização dos copos que possuem um fundo curvo, é possível sentir melhor os aromas, uma vez que a bebida cai com mais leveza e preenche a taça em circunferência. 

Confira alguns modelos e suas finalidades:

  • Vinhos espumantes e champanhe: taça alta e fina, com o intuito de manter a efervescência oferecida pela bebida por muito mais tempo.
  • Água: as maiores taças, com as opções de pé ou não. Sempre acompanham o vinho.
  • Vinho tinto: taças maiores e mais bojudas.
  • Vinho branco e rose: taças menores para que o líquido não esquente.
  • Vinho do Porto ou Xerez: pequenos cálices.
  • Whisky: copos baixos, com fundos grossos e largos, pois precisam acomodar perfeitamente os cubos de gelo.

Lembrando que não existem apenas esses tipos, pois se ampliarmos a listagem, de acordo com casas especializadas, podemos chegar a quatrocentos tipos de taças e copos

Mas e os pratos?

Você já deve ter visto em filmes de época que a comida antigamente (até o século XIX) era servida toda de uma única vez. Isso acontecia para que a fartura fosse exibida, mas isso acaba deixando tudo frio. 
Então, um príncipe russo apresentou à corte uma nova forma de servir os alimentos, um prato por vez, em diferentes tipos de louça.

  • O prato de pão, que servia o pão, como o próprio nome já diz, além de manteiga ou sobremesa.
  • O sousplat, que pode ser usado para decoração ou para proteção da própria mesa, sendo grande e raso. Ele também preenche o espaço do convidado para que ele não fique vazio enquanto há a troca dos pratos do menu.
  • O prato raso, utilizado para as principais refeições, tais como: saladas, massas, peixes e carnes.
  • O prato fundo, para massas recheadas e/ou sopas.

Como arrumar a mesa corretamente

Comece alinhando todos os elementos em frente ao lugar destinado a cada pessoa, sendo que o sousplat deverá ser o primeiro dos itens, com o prato raso em cima e, logo após, o fundo. Caso exista algum tipo de pão a ser servido, deve-se usar o menor prato, como citamos acima.

Alguns talheres deverão ser posicionados do lado direito do prato, pensando sempre de fora para dentro: colher de sopa, faca para entrada, faca para refeição principal. Já do lado esquerdo, deve-se colocar o guardanapo, o garfo para a entrada e o garfo para a refeição principal. Confira a imagem abaixo:

 



Guardanapo de tecido ou de papel?

Os guardanapos, além de funcionarem como um item que compõe a mesa, podem proporcionar uma decoração ainda mais requintada e sofisticada, sempre de acordo com as suas escolhas. 

Os guardanapos de tecido podem possuir diferentes cores e estampas, ampliando as possibilidades de combinações na mesa posta. Porém, tendem a manchar com mais facilidade, fazendo com que as lavagens se tornem cada vez mais difíceis. 

Além disso, é necessário um cuidado redobrado para se evitar possíveis contaminações, visto que não são descartáveis e, caso caiam no chão, é necessário ter algumas peças sobressalentes. 

Já os guardanapos de papel são bem mais versáteis, pois os preços são bastante competitivos e, atualmente, podemos encontrar até mesmo alguns modelos que imitam bordados elegantes. 

Também podem ser personalizados de acordo com o tema do jantar, estampas e até mesmo iniciais de nomes. Porém, é preciso uma pesquisa mais aprofundada na hora da aquisição, visto que o mercado conta com produtos que deixam a desejar em qualidade quando o assunto é guardanapo de papel. 

Confira como comer na mesa com etiqueta

Primeiro de tudo: lave as mãos! Uma dica meio óbvia, mas que não pode ser deixada de lado, principalmente porque ao chegar no ambiente em que o jantar será servido, haverá existido o deslocamento, bem como cumprimentos.

Desligue o celular durante a refeição, afinal, não é nada elegante pegar no aparelho, mesmo que seja apenas para deixá-lo no silencioso.

Procure não se sentar nem muito perto e nem muito longe da mesa, sem arrastar a cadeira, obviamente. Muito menos mude os utensílios dispostos de lugar, a não ser que você seja canhoto, mas isso deverá ser feito de maneira discreta, como falamos anteriormente.

Caso o guardanapo utilizado seja de pano, coloque-o no colo. Já o de papel, deve permanecer na mesa, exatamente onde foi disposto, sendo usado e voltado novamente para o lugar com a parte suja para baixo. 

Não gesticule muito, principalmente se estiver segurando algum talher. Mantenha os braços próximos ao corpo, com apenas os pulsos apoiados na mesa. 

Não utilize facas para comer massas, use o garfo e, caso termine a refeição, coloque os talheres sobre o prato de forma paralela, com suas bases viradas para baixo (a faca sempre à direita do garfo).

Após finalizar a refeição, o guardanapo de pano deverá ser colocado à direita do prato, mas sem estar dobrado, pois isso indica que ele foi utilizado. E nada de palitar os dentes à mesa!

Quer colocar em prática tudo o que aprendeu neste post? Na Let’s Eat It você encontra todos os itens necessários para montar uma mesa que irá surpreender seus convidados.