Na foto: Jogo de 6 Taças Sommelier para Vinho

Conheça alguns detalhes que poderão auxiliar nas suas escolhas, para uma harmonização de vinhos tintos que irá combinar com a sua comida e o seu paladar.

O vinho é uma bebida que nos proporciona, de forma intrínseca, uma relação com a alimentação. Sendo assim, a harmonização de vinhos tintos, ou enogastronomia, surgiu como uma área que integra esses dois elementos de forma sublime.    

 Desse modo, qual é a importância da harmonização? Ela equilibra as características do vinho com o alimento e proporciona uma experiência mais elevada, considerando aromas, texturas e sabores.

Harmonização de vinhos tintos e seus detalhes

Na foto:Jogo de 6 Taças Sommelier para Vinho

Como estratégias de harmonização de vinhos com os diversos tipos de sabores e nuances, pode-se destacar a similaridade de características olfativas; seja ela por contraste ou por sinergia, de modo que essa combinação no processo origine uma sensação ou sabor melhor do que os anteriores.

Interessante destacar que durante a harmonização, o aroma dominante, a ordem da ingestão e até mesmo a construção do sabor pela experiência social, são elementos que podem afetar essa experiência.

Para que se possa potencializar a combinação do vinho com os alimentos, deve-se conhecer algumas regras técnicas que permitam que as características de ambos não sejam ofuscadas. 

 Dessa maneira, o fator primordial é o reconhecimento de sabores doce, amargo e ácido dos alimentos; texturas da bebida, levando em consideração o gosto sentido na língua, variando entre frio, quente, cremoso, duro ou seco; e os compostos aromáticos. 

 Podemos encontrar harmonizações de vinho com molho, queijo e carne; sendo ele indicado conforme os temperos utilizados, tanto do molho quanto das guarnições do prato.   

Dessa forma, podemos destacar que o universo da harmonização é dinâmico, de modo que novas combinações são constantemente propostas para melhor experiência gastronômica dos consumidores de diferentes culturas.

Tipos de vinho tinto

Separamos abaixo alguns tipos de vinhos disponíveis no  mercado e que você poderá utilizar para oferecer almoços e jantares:

Cabernet Sauvignon

Pinot Noir

Tempranillo

Carménère

Sangiovese

Touriga Nacional

Malbec

Syrah (Shiraz)

Merlot

Tannat

Alguns detalhes devem ser levados em consideração, como a concentração de taninos, elevação alcoólica, níveis de acidez, amadurecimento em barris, além de outros tantos fatores. Tudo isso contribui para a estrutura final da bebida. 

 Para combinar com pratos variados é super importante conhecer alguns detalhes, inclusive o corpo do vinho, para que seja possível reconhecê-los e se orientar para novas aquisições de acordo com o seu paladar e os pratos que serão oferecidos.  

 Então, trouxemos as subdivisões básicas de acordo com o corpo. São elas:

Corpo leve

Com menor teor alcoólico, possuem menos tânicos e são mais ácidos. Na maioria das vezes possuem intensos aromas de frutas vermelhas.  

Uvas: Pinot Noir, Pinotage, Gramay, Grenache etc. 

Harmonização: carnes brancas magras, embutidos, pães, queijos brancos moles (Brie, Camembert, Coulommiers) e semimoles (Edam, Taleggio, Gouda), vegetais cozidos e cogumelos.

Corpo Médio

Possui menor carga tânica e acidez moderada, seus aromas primários também tendem às frutas vermelhas.  

Uvas: Merlot, Carmenere, Cabernet Franc etc. 

 Harmonização: carnes vermelhas magras, carnes brancas magras, queijos semimoles e duros (Emmental, Gruyère, Provolone), embutidos, vegetais cozidos e cogumelos.

Encorpado

Contam com grande estrutura no paladar, preenchendo completamente a boca, aromas primários de frutas negras e níveis elevados de taninos, bem como de álcool.  

Uvas: Cabernet Sauvignon, Malbec, Syrah, Tempranillo etc. 

Harmonização: carnes vermelhas com bastante gordura, embutidos, queijos duros, vegetais cozidos e aceitam mais condimentos e temperos.

E o que não deve ser harmonizado?

Nas fotos: Conjunto 2 Taças de Cristal GrandVino Bourgogne 950ml


 Os vinhos tintos possuem maior acidez e álcool, por isso devem ser combinados com bastante cuidado, visto que os taninos podem ser vilões em algumas refeições. 

Alguns peixes e frutos do mar, por exemplo, possuem iodo, que em conjunto com os taninos presentes no vinho podem deixar um sabor metálico, amargo e adstringente, o que estraga não só a comida, mas também a bebida. Preparações com peixes tendem a combinar mais com vinhos brancos. 

 Vale ressaltar que alimentos muito ácidos, doces apimentados e salgados também podem ser erros gravíssimos quando o assunto é harmonização.

Na foto: Cj 2 Taças Artemano Cristal Linha Quadratta p/ Vinho 600ml

Características essenciais dos vinhos

O vinho é uma bebida alcoólica decorrente do processo de fermentação do mosto da uva madura, sendo considerado como uma das bebidas mais antigas do mundo.  

 À vista disso, vale destacar quais as características essenciais dos vinhos para que se tenha uma melhor experiência na harmonização. 

 Desse modo, teremos elementos como cor, aromas e sabores que são importantes na escolha do vinho, seja ele espumante, branco, rosado, tinto ou de outra categoria; além das características da bebida, como a complexidade aromática, acidez, açúcar, tanino, álcool, entre outros. s dos vinhos

Cor

Sobre as cores do vinho 
Os vinhos tintos se destacam pela sua cor avermelhada, mas o seu processo de envelhecimento faz com que sua coloração alcance uma variação de tons do alaranjado para o amarelado. 

No caso dos vinhos rosados, sua coloração vai depender tanto da variedade da uva quanto do método de elaboração, sobretudo deve-se considerar o tempo de maceração. 

Atenção! Quanto à tonalidade do vinho alcançar um tom marrom, é bem provável que ele esteja oxidado e decrépito

Por outro lado, os vinhos brancos têm uma composição mais simples que se destaca pela predominância da cor amarela, pois diferentemente dos vinhos tintos, ela é estável e apresenta a tendência de aumentar ao envelhecer. Um vinho branco jovem é praticamente incolor.

Limpidez

Sobre a limpidez 
O brilho e a limpidez dos vinhos dependerá da ausência de partículas em suspensão, pois esse tipo de característica destaca indícios da sanidade do produto. Sendo assim, um vinho de boa qualidade não deve apresentar um aspecto turvo ou vedado.

 Caso seja de uma safra jovem, os sedimentos não são bem-vindos, embora isso não seja algo ruim, tendo em vista que faz parte do processo natural de envelhecimento do vinho.

Fluidez

 Sobre a fluidez
A fluidez do vinho está relacionada com a sua estrutura, sendo ele formado por alcoóis, extrato seco e outros componentes.  

Portanto, a realização de movimentos giratórios nos permite observar a viscosidade e fluidez do vinho, que posteriormente constataremos na boca.

Efervescência

 Sobre a efervescência

O processo de efervescência ocorre devido à presença de dióxido de carbono (CO²), produto da fermentação alcoólica.

É importante ressaltar que todos os vinhos contêm esse gás, mas só conseguimos detectá-los visualmente nos vinhos frisantes e espumantes.

Aromas

 Sobre a fluidez

 Saber a origem e formação dos vinhos nem sempre é uma tarefa fácil, uma vez que eles possuem vários aromas, sobretudo relacionados com o reino vegetal, como os frutados, florais e herbáceos.  

Atualmente, muitas substâncias responsáveis pela formação de aromas são conhecidas, como por exemplo os diferentes tipos de álcoois, ácidos, ésteres, aldeídos, terpenos, fenóis voláteis, entre outros.

As principais diferenças entre aerador e decanter

Na foto: Aerador Decanter Vinogusto 1,5L

Quando os vinhos tintos entram em processo de envelhecimento, é natural que apareçam sedimentos. Considerando que as suas moléculas ficam maiores e menos solúveis, podemos perceber alterações em sua estrutura, textura e nos aromas da boca e retronasal. 

 Para evitar a percepção dessas alterações, recomenda-se que o vinho seja decantado, ou seja, que seja separado o sólido do líquido.   

Além do processo de decantação, os vinhos também podem se beneficiar por meio da aeração mais prolongada no decanter, principalmente vinhos não maduros, que encontram-se em desequilíbrio. O processo de aeração permite que o vinho alcance a neutralidade.

Na Let´s Eat It podemos encontrar diferentes tipos de decanters que nos proporcionam uma excelente experiência de degustação. Uma vez que o vinho ficará com contato maior com o oxigênio, de modo que seu aroma fique mais acentuado e o sabor mais interessante.

Confira o site da Let´s Eat It e promova a elevação das suas experiências a sofisticação das linhas de decanter. Para receber informações em primeira mão e tirar qualquer tipo de dúvida sobre os produtos oferecidos, clique no banner abaixo e faça parte do nosso grupo de WhatsApp exclusivo.